Reabilitação do Palacete Bensaúde

CAMPUS DO LUMIAR, LISBOA

O sítio da Quinta e do Palacete Bensaúde é facilmente identificado na paisagem uma vez que a casa e os muros confrontam com a estrada do Paço do Lumiar, pertencendo a um contexto urbano e arquitectónico de especial valor, com uma unidade urbana, de características invulgares pela sua homogeneidade e extensão.

O palacete insere-se num conjunto que inclui um jardim tardo- romântico, estufas, fontes e poços.
Edificado no princípio do séc XX, da autoria provável de Ventura Terra, foi alvo de dois projectos de alteração: de Raul Lino em 1928 e de França Ribeiro em 1960.

A estratégia consistiu na conversão do conjunto da residência da alta burguesia, num espaço de gabinetes e salão nobre para eventos, preservando a sua traça, carácter e o valor patrimonial da construção, da pintura mural, azulejaria, carpintaria, serralharia e dos conteúdos e desenho dos jardins.
A intervenção pautou-se pela alteração mínima da já existente qualidade arquitectónica, pela conservação e reparação dos sistemas de construção e pelo uso pontual e reversível de sistemas modernos.